Doenças de Inverno - Florada

26.07.2017 Autor: Guy Carvalho Fonte: Papo de Cafeicultor
Doenças de Inverno - Florada

Amigos cafeicultores, vamos falar de um momento importante para a cultura que é a florada e vamos falar justamente quais são as doenças que podem prejudicar esse momento. Para isso, eu convidei meu amigo Pedro Mendonça, pesquisador da BASF, e ele vais nos contar sobre essas doenças e controle. 

Para tanto, viemos até a Fazenda Santa Rita (Grupo Gira) em Areado, MG, e fomos acompanhar pelo Gestor Izaías da Silveira que é um amigo de longa data.

Entre as principais doenças, a foma deve ter uma atenção especial. Nos conte um pouco sobre ela, Pedro.

- Pedro Mendonça, pesquisador da BASF: Nós estamos aqui no Sul de Minas, uma região muito próxima da represa, uma área que foi podada, ou seja, uma safra 0 e podemos ver essas lesões no ramo. O grande prejuízo que temos em uma lavoura dessa é exatamente essa ocorrência no ramo. Quero dizer, é uma doença problemática, o produtor tem que estar atento nesse período. Ela se inicia entra abril e maio e realmente a condição de temperatura nesse período é extremamente desfavorável. Além disso, temos o molhamento folhear. Quando a gente pega uma lavoura desse porte que foi podada, podemos ver, na parte do terço ferior e terço médio, um molhamento folhear muito intenso durante grande parte da manhã e isso favorece a ocorrência dessa doença, porque em termos de temperatura nesse momento agora, no inverno, e o que vai aumentar de fato é o período do momento folhear. Quanto mais a lavoura tem molhamento, mais intenso é o ataque. Por isso, o produtor precisa planejar muito bem o controle e esse controle tem que ser feito preventivamente, exatamente no período anterior dessa condição favorável da doença, ou seja, ele tem que iniciar o controle a partir de abril e maio, por que, tem que evitar o dano. Essa lavoura aqui, já apresenta algum dano, então o produtor tem que ter continuidade de controle até o período de florada e posterior a florada ainda há condições favoráveis para a doença, então ele precisa esticar o controle durante todo esse período. Enfim, o período principal de controle ocorre no outono e inverno, quando acontece a florada a continuidade do controle será o complemento dele. Mas, o controle em si tem que ser feito no período de outono e inverno.

Pedro Mendonça destaca como os cafeicultores podem identificar a doença da foma na lavoura.

- Pedro Mendonça: A identificação da doença é muito fácil. Primeira coisa, ela apresenta uma mancha no ramo, acontece seu crescimento e a morte do ramo. Na folha, acontece círculos mais escuros - marrom de até negros -, formando círculos concêntricos com lesões até no meio da folha. É mais comum vermos lesões na parte da lavoura onde há muito molhamento. O que acontece é um patógeno, um fungo de ciclo muito curto que senão houver o controle, ao longo do período ele vai aumentando rapidamente e com isso o prejuízo é muito intenso.

Agora o pesquisador Pedro, explica como deve ser feito o controle da doença foma.

- Pedro Mendonça: Bom muito produtores acham que se fazer uma aplicação já está controlado. Mas, isso não é verdade. Esse tipo de patógeno e dependendo da região deve ter duas, três ou até quatro aplicações. Uma única aplicação é um controle muito baixo, porque ela é uma doença muito agressiva e ela requer mais cuidado. Portanto, o produtor deve ter planejamento. Quando ele iniciar o processo da colheita ele já tem que estar preparado para fazer o controle da foma.

Pedro Mendonça destaque que nunca é tarde e mesmo agora está em tempo de iniciar o controle e diminuir prejuízos.

- Pedro Mendonça: Já ocorreu perdas, mas se ele não fizer o controle ainda essa perda será maior. 

Pedro explica como é e destaca a importância da aplicação do fungicida.

- Pedro Mendonça: O grande fator é que eu tenho que colocar o fungicida para exatamente diminuir a doença exatamente na base da roseta. Tem que se atingir o ramo, porque ela ataca primeiramente o ramo. Então, a proteção do ramo é exatamente o fungicida atingir o ramo e atingir essa base da roseta. Depois que ocorreu a florada, a aplicação posterior a ela será o complemento, mas eu tenho que ter um residual do fungicida na planta antes da florada.

- Guy: Pedro, uma outra doença que também o produtor deve ficar atento é mancha aureolada, não é isso?

- Pedro Mendonça: Guy, é extremamente importante em falar da mancha aureolada porque o produtor confunde o sintoma. É muito comum a gente chegar lá e o produtor apresentar as duas doenças, foma e mancha aureolada. Mas, muitas vezes ele tem mancha aureolada e menos doença de foma. Por que os sintomas eles se confundem. Em função dos sintomas se confundirem, é muito importante que o produtor faça uma aplicação em conjunto. Então, o principal produto que nós trabalhamos hoje para a mancha aureolada que é uma bactéria é o uso do fungicida cúprico. Logo, fazemos o uso do cobre junto com o fungicida para a foma. Para todas as aplicações que fazemos para a foma, nós colocamos o fungicida cúprico junto. Com isso, você também estará fazendo o manejo de resistência, inclusive para a própria mancha de foma. Não só ajudar no controle de mancha aureolada, mas também fazer o controle da própria mancha de foma. Então, o cobre é o parceiro indispensável para a aplicação no combate da foma. 

- Guy: Esse é o caminho, cuidar dessas doenças que podem prejudicar a colheita.

- Pedro Mendonça: Exatamente, é importante controlas essas doenças que nesse período causam um enorme dano nas lavouras.

Outra doença que pode ocorrer nessa época e precisa da atenção do amigo cafeicultor é a ferrugem tardia que também deve ser controlada junto com a foma. Fica a dica, monitore a lavoura, consulte o seu técnico de confiança, escolha bons produtos e aplique na hora certa. 

Muito obrigado pela atenção, continue assistindo os nossos vídeos e se inscreva em nosso canal.


https://www.youtube.com/channel/UCOiqRHgcHXlSHmUsS-3LjNA/videos

Galeria

Veja Também

Clientes