Construção de Fertilidade do Cafezal

10.11.2017 Autor: Guy Carvalho Fonte: Papo de Cafeicultor
Construção de Fertilidade do Cafezal

Amigos cafeicultores, agora depois do início da chuva nós temos que nos preocupar em nutrir bem nossas lavouras e para falar em construção de fertilidade, eu convidei meu amigo Tiago Reis que é agrônomo, um estudioso, ele tem mestrado e doutorado no estudo do fósforo. É um dos pilares que nós temos na pesquisa, quando nós falamos de um novo conceito de nutrição de café. Eu convidei o Tiago para falar um pouquinho da importância não só do fósforo, mas também de outros elementos e do equilíbrio nutricional e é isso que gostaria que você falasse para a gente Tiago. O quanto é importante lembrar de todos os elementos.

- Guy Carvalho: Tiago, vamos começar falando do equilíbrio desses nutrientes da construção da fertilidade.

- Tiago: É isso Guy, é importante para a construção da fertilidade do solo a gente ter todos os anos a análise do solo, identificar qualquer limitação que tivermos no ambiente. Conhecer bem a planta, o histórico da área para que possamos atender as demandar de acordo com a necessidade da planta para termos produtividade.

- Guy Carvalho: O futuro que ela vai ter para as próximas produções.

 Tiago: Correto e você bem lembrou do fósforo com o nosso trabalho. Mas, além do fósforo temos todos os outros nutrientes que temos de atender a lei do mínimo. Então todo o nutriente tem sua devida importância para que a planta alcance o seu maior potencial produtivo.

- Guy Carvalho: Quer dizer, não podemos esquecer de nenhum elemento, a exemplo o boro e o zinco?

- Tiago: Sim, boro e zinco são dois micronutrientes, considerado micro por ser aplicado em menor quantidade. Mas, são os dois que mais respondem as aplicações para o cafeeiro.

- Guy Carvalho: Quer dizer, o cafeeiro gosta desses elementos, ele precisa desses elementos.

- Tiago: Não só gosta, mas como ele precisa ser aplicado em momentos certos 

- Guy Carvalho: Tiago, os produtores costumam aplicar nessa época do ano os defensivos via solo e junto com essa aplicação, eles querem pegar uma carona e aplicar o boro e o zinco. O que você acha disso?

- Tiago: É uma excelente oportunidade porque aproveita o operacional, então a operação da aplicação nutricional fica gratuita no operacional da propriedade. Porque isso, ela já vai fazer a proteção fitossanitária e melhor aliar dois micronutrientes importantes para a planta.

- Guy Carvalho: Tiago, eu posso aplicar qualquer produto nessa mistura?

- Tiago: Não Guy, o produtor tem que tomar muito cuidado para não usar qualquer produto na mistura da aplicação do solo. Hoje temos no mercado produtos que vão dar a nutrição do boro e do zinco e ainda vai garantir a proteção fitossanitária para o café.

- Guy Carvalho: Quer dizer, tem que ser produto adequado para não atrapalhar o defensivo que é objetivo do trabalho?

- Tiago: Não atrapalhar o efeito defensivo e nem o operacional. Não queremos um produto que corroa a máquina que não de problema no filtro do equipamento. Temos que ter produto de qualidade que não possa interferir no efeito do campo.

Está certo Tiago, nós estamos nessa lavoura que estamos acompanhando ao longo de muitos anos, desde sua formação. É uma lavoura que vem receber esses elementos nutricionais. Eu queria que você desse uma volta e nos forneça uma opinião sobre ela.

- Guy Carvalho: O que está achando, ela realmente está respondendo o que está recebendo? Esse equilíbrio nutricional, o plantio da braquiária no meio. Eles cumprem a expectativa que nós estamos fazendo com esse trabalho?

- Tiago: Essa lavoura é um exemplo claro de boa construção da fertilidade do solo e um ambiente adequado para que a planta produza mais. Vemos que a planta pós seca e pós estresse hídrico normal dessa época de inverno sai em vigor e tem uma excelente florada e ainda vai apresentar uma excelente produtividade para o próximo ano.

- Tiago: Agora não estamos aqui no laboratório para mostrar um pouco do que falamos no campo. Nosso colega e especialista em nutrição foliar, Gustavo Nunes, irá fazer os testes de solução e compatibilidade física da nossa linha de produtos com os defensivos.

- Gustavo Nunes: Vamos fazer uma simulação aqui no laboratório de mistura e compatibilidade física de fungicida de solo com a nossa linha Yara Vita, mostrando que não há problema de compatibilidade em nossos produtos.

Primeiro vamos pegar o béquer que possui fungicida e inseticida de solo e vou adicionar na proveta com 500 ml de água. O Segundo passo é pegar a nossa fonte solúvel de boro e também vou adicionar na proveta. Posteriormente, irei pegar o Zintrake, nossa fonte de zinco, e irei fazer adição na proveta.

Vamos fazer um outro teste no laboratório, misturando produtos junto com o fungicida de solo. Esse com a tampa rosa, vamos fazer a mistura com a fonte de boro com outro sal fonte de zinco. Nesse com a tampa branca vamos fazer com os produtos da linha Yara Vita. Por último, da tampa verde, vamos realizar uma mistura de nutrientes com o fungicida de solo.

Após fazer a mistura em laboratório, os produtos da linha Yara Vita apresentaram maior homogeneidade com o fungicida e inseticida de solo. Nesse frasco, foram colocados Zintrake e Botrake, tivemos uma solução homogênea e o produtor pode fazer no campo. Nos demais correntes, tivemos precipitação e o produto ficou no fundo e no de tampa vermelho tivemos uma reação com os produtos que inviabilizaria a aplicação.

 

Galeria

Veja Também

Clientes