Monitoramento da broca-do-cafeeiro

06.11.2018 Autor: Guy Carvalho Fonte:
Observar a lavoura é extremamente importante para que o produtor tome a decisão no momento mais oportuno

Monitorar é acompanhar, verificar e observar a lavoura afim de perceber qualquer alteração que esteja ocorrendo. Essa inspeção é extremamente necessária, principalmente quando o assunto é a broca-do-café, auxiliando o produtor na tomada de decisão para a aplicação do defensivo e escolha do momento mais oportuno para realizar essa ação. 


O monitoramento da broca-do-café é fundamental para seu o controle. Sem essa observação, a aplicação do defensivo dificilmente ocorrerá no momento correto, o que trará consequentes perdas de eficiência. 


Para falar sobre o tema, consultei outros colegas especialistas, realizei diversas pesquisas (ver modelo de planilha de campo e link da EPAMIG abaixo) e trago importantes informações para vocês. 


O início do monitoramento deve ocorrer de 80 a 90 dias da primeira grande florada e prosseguir com intervalo de 15 dias. Vale ressaltar que o melhor período para o controle químico da broca é de 90 a 140 dias da florada principal. 


As armadilhas também podem ser utilizadas para acompanhar a evolução da praga, porém não substituem o monitoramento, somente auxiliam na tomada de decisão.


Passo a passo do monitoramento:

  1. Dividir em talhões homogêneos com até 5,0 há (mesma variedade, idade etc);
  2. Selecionar 30 plantas ao acaso, observar 60 frutos nos dois lados da planta ou, em caso de plantio em renque, a planta do lado outro lado da rua;
  3. Observar 10 frutos por tomada nos três terços da planta: topo, meio e saia;
  4. Anotar quantos estão perfurados pela broca;
  5. Reservar os grãos perfurados para posteriores observações;
  6. Somar os grãos brocados e dividir o valor por um fator de número 18;
  7. Pronto, agora você tem a porcentagem de grãos brocados;
  8. Depois disso, basta analisar como estão esses grãos: se há presença de brocas vivas ou não, se o grão está aquoso ou duro, e anotar para auxílio na decisão.


Quanto ao resultado do monitoramento, o valor absoluto 1, 2 ou 3% é apenas uma referência que somada a outros conhecimentos resultará na correta decisão. 



Imagem ilustrativa de Planilha de levantamento inicial de broca-do-cafeeiro. Créditos ao amigo Pedro Mendonça da Basf. 


Por exemplo: 

Gleba “N.01”: apresentou a principal florada há 90 dias, os arbustos são mais velhos e têm histórico anterior de infestação pela broca, o vizinho do lado não combate a praga, o talhão não foi varrido e sobrou muito grão remanescente, 1,5% dos grãos estão perfurados e há presença de brocas vivas - Decisão: ok posso entrar com o controle.


Gleba “N.02”: lavoura é nova, a colheita foi bem-feita e não sobrou grãos remanescentes, apresentou o mesmo 1,5% de grãos perfurados, porém com muitas galerias abandonadas. Além disso, os grãos estão aquosos - Decisão: Posso aguardar um pouco mais e prosseguir monitorando. 

 

Quanto ao defensivo a ser aplicado, devemos usar somente produtos registrados. É importante observar na bula qual o índice de monitoramento indicado para aquele produto, respeitar a orientação do fabricante e tomar todos os cuidados necessários para a aplicação correta e eficiente.


Mesmo após a aplicação do defensivo o monitoramento deve prosseguir. Após 15 dias da aplicação é necessário retomar a observação e acompanhar como foi a eficiência. Se necessário, refazer o controle 30 dias após a primeira aplicação do inseticida.


Para conhecer mais sobre o assunto, acesse o link da Embrapa (créditos ao Dr Júlio C. Souza da Epamig) que traz no final um modelo de tabela 

http://www.sapc.embrapa.br/arquivos/consorcio/circulartecnica/Cafeicultor_saiba_como_monitorar_e_controlar_a_broca_do_cafe_com_eficiencia.pdf   


Galeria

Veja Também

Clientes